Câncer de Bexiga

O câncer de bexiga é um dos tumores mais comuns, ocorre nos homens com mais frequência e geralmente afeta os adultos após os 50 anos, embora possa acontecer em qualquer idade. O tumor vesical na sua vasta maioria tem início nas células uroteliais, camada mais interna do órgão. Embora seja mais comum na bexiga, esse mesmo tipo de câncer pode ocorrer em outras partes do sistema de drenagem do trato urinário, como ureter, uretra e pelve renal.Cerca de 7 em cada 10 tumores de bexiga são diagnosticados em estágio inicial, quando ainda é altamente tratável. No entanto, mesmo com o tratamento precoce, pode reaparecer com alta frequência. Por esta razão, as pessoas com câncer de bexiga normalmente precisam de exames de acompanhamento durante anos após o tratamento.

Sintomas

Sangue na urina (hematúria), o que pode dar a ela uma coloração incomum. Mesmo com aparência normal, às vezes é possível identificar presença de sangue na urina por meio de um exame minucioso. Além deste sintoma, a incontinência urinária, dor ao urinar, dor nas costas, dor pélvica, fadiga e perda de peso também podem indicar o surgimento da doença.

 

Fatores de Risco

  • Tabagismo;

  • Exposição a produtos químicos;

  • Exposição a irradiação;

  • Irritação crônica do revestimento da bexiga (usuário de sonda vesical crônico);

  • Infecções parasitárias.

 

Nem sempre é claro o que causa câncer de bexiga, e algumas pessoas com a doença não apresentam fatores de risco evidentes.

Diagnóstico

A identificação do tumor na bexiga é realizado na maioria das vezes por um exame inicial de ultrassonografia do trato urinário. Outros exames de imagem também podem detectar como a tomografia ou ressonância.

Em casos em que há grande suspeita e não há identificação nos exames de imagem, a citologia urinária oncótica deve ser realizada, mas o diagnóstico só é feito durante cistoscopia, exame realizado com aparelho para visualizar o interior da bexiga. O exame de imagem da tomografia, associado a retirada do tumor, faz o estadiamento da doença.

Estágios de câncer de bexiga
  • Fase I. O câncer neste estágio ocorre no revestimento interno da bexiga, mas não invadiu a parede da bexiga muscular.

  • Estágio II. Nesta fase, o câncer invadiu a parede muscular da bexiga, mas ainda está confinado à bexiga.

  • Fase III. As células cancerosas se espalharam pela parede da bexiga para o tecido circundante.

  • Estágio IV. Nesta fase, as células cancerosas podem ter se espalhado para os gânglios linfáticos e outros órgãos, como os seus ossos, fígado ou pulmões.

Tratamento

 

As opções de tratamento para o câncer de bexiga dependem de uma série de fatores, incluindo o tipo, grau e estágio do câncer, que são levados em consideração, juntamente com a saúde geral e preferência de tratamento acordado entre médico e paciente.​ As abordagens para cirurgia podem incluir:

 

  • Ressecção transuretral(RTUb): Primeiro procedimento realizado em qualquer caso de câncer de bexiga. Ele remove o tumor confinado às camadas internas e informa o grau de penetração. Nos casos onde não há invasão do músculo da bexiga, o tratamento indicado é o curativo. Neste caso, o procedimento é realizado através da uretra, sem incisões no abdome.

Em casos de alto risco de recidiva, o tratamento deve ser acrescido de quimioterapia intravesical, ou imunoterapia, também chamada de terapia biológica. Funciona sinalizando o sistema imunológico do organismo para ajudar a combater as células cancerígenas.A imunoterapia é frequentemente administrada através da uretra e diretamente na bexiga (terapia intravesical). Um dos medicamentos de imunoterapia usado para tratar câncer de bexiga é o BacillusCalmette-Guerin (BCG), vacina usada para o tratamento de tuberculose. 

  • Cistectomia: Cirurgia para remoção total ou de parte da bexiga. 

 

  • Cistectomia parcial é para remoção apenas da parte que contém o tumor e pode ser uma opção se o câncer for limitado a uma área de fácil remoção, sem prejudicar as funções da bexiga.

  • A cistectomia radical é uma operação para remover toda a bexiga, parte da uretra e os gânglios linfáticos da pelve. Nos homens, a cistectomia radical inclui a remoção da próstata e das vesículas seminais. Nas mulheres envolve a remoção do útero, ovários e parte da vagina.

A cistectomia radical pode ser realizada através de uma única incisão na parte inferior da barriga ou com múltiplas incisões pequenas usando a cirurgia robótica. 

  • Reconstrução Neobexiga. Após uma cistectomia radical, deve-se criar uma nova maneira de armazenamento da urina. Uma opção para o desvio urinário é a reconstrução da neobexiga. Este reservatório fica dentro do abdome e está ligado à uretra. Na maioria dos casos, a neobexiga permite que o paciente urine normalmente. 

  • Conduto Ileal. Para este tipo de desvio urinário, é criado um tubo (canal ileal) usando parte do intestino. O tubo recebe urina dos ureteres, que drenam dos rins para o exterior do corpo, onde a urina é esvaziada em uma bolsa coletora.

Quimioterapia: É frequentemente usada antes da cirurgia de remoção da bexiga para aumentar as chances de cura e também pode matar células cancerígenas que eventualmente permanecem após a operação. 

Preservação da bexiga: Uma opção de tratamento com três pontas é recomendada para preservar a bexiga nos casos onde a doença é invasiva no músculo. Conhecida como terapia de trimodalidade, a abordagem de tratamento inclui RTUb, quimioterapia e terapia de radiação.

Primeiro é realizado o procedimento RTUb para remoção total do tecido canceroso, mantendo a função da bexiga. 

Após a RTUb, é realizada a quimioterapia, juntamente com terapia de radiação. Ambas ocorrem durante as primeiras semanas após a cirurgia.

Caso após a terapia de trimodalidadeo câncer permanecer ou haja uma recorrência do tumor invasivo de músculo, a cistectomia ainda pode ser realizada. 

​​Prevenção

 

Embora não haja nenhuma maneira garantida de prevenir o câncer de bexiga, algumas medidas podem ajudar a reduzir o risco de desenvolver a doença. Por exemplo:

  • Não fumar significa que substâncias cancerígenas da fumaça não serão armazenadas na bexiga, o que evita o desgaste do revestimento interno e ajuda a prevenir o câncer.

  • Produtos químicos em constante exposição ou contato, ajudam no surgimento de células cancerígenas.

  • Beber água durante o dia pode diluir as substâncias tóxicas que possam ser concentradas na urina e expulsá-las da bexiga de forma mais rápida.

Dúvidas:

Consultórios em São Paulo-SP:

 

Hospital Israelita Albert Einstein - Perdizes

Rua Apiacás, 85, 3º andar, sala 13.

Hospital Israelita Albert Einstein - Morumbi

Av. Albert Einstein, 627, 1º andar, sala 111.

Rua Alves Guimarães, 462 Sala 31.

 

Telefones:  (11) 99533-1609 (11) 2639-6223

E-mail: drguilhermepadovani@gmail.com

  • LinkedIn Social Icon
  • Wix Facebook page